cremosescreva • contribua

Blog

FemilinidadeO que vejo quando me olho ao espelho

O que vejo quando me olho ao espelho

Acho que é seguro dizer que a relação da maioria das mulheres com o espelho é uma relação amor/ódio e com todos os sentimentos que existem entre estes opostos.

Se perguntássemos a todas as mulheres que já existiram até ao dia de hoje o que é que vêem quando se olham ao espelho, com toda a certeza teríamos as mais variadas respostas.

Rugas, estrias, celulite, olheiras, gordura, magreza, marcas duma relação violenta, cicatrizes duma gravidez, velhice, uma deformidade de nascença, uma deformidade resultante de um acidente, tristeza, cansaço, depressão, alegria, beleza, sensualidade etc., etc..

Todas nós vemos uma ou várias destas coisas de cada vez que nos olhamos no espelho.

A verdade é que desde a época em que vivemos, à idade, à cultura, às experiências pessoais, ao país, todos estes fatores influenciam grandemente as nossas respostas.

Aquilo que vemos ao espelho é muito mais do que uma simples reflexão na superfície espelhada. O que vemos é muito mais do que o nosso corpo físico. Vemos a nossa vida.

O problema é que somos fortemente criticados por uma sociedade obcecada com a imagem e muito pouco empática com o sofrimento e experiências alheias. Vivemos numa sociedade em que o parecer é mais importante que o ser, e, nesta lógica, perde-se o interesse pela pessoa que vive dentro do corpo.

Seria muito difícil, nos dias que correm, encontrarmos um consenso no que diz respeito à imagem correta que devemos ter do nosso corpo. A cultura impôs um tipo de perfeição inalcançável à maioria das mulheres e, mesmo sabendo que as expectativas são inatingíveis, deixamo-nos levar pela pressão.

Não podemos permitir, em nome duma cultura, que a história que a nossa imagem refletida no espelho conta seja desvalorizada. Sim, porque a história da nossa vida fica marcada no nosso corpo, no nosso rosto.

Sejam as rugas de preocupação ou de tanto rir, é a nossa história. Seja uma cicatriz duma cesariana ou de uma operação para salvar a vida, é a nossa história. Sejam as estrias causadas pela luta contra o excesso de peso, ou tentativa de ganhar peso, é a nossa história.

Nenhuma selfie perfeita, nenhuma maquilhagem, poderão esconder do meu olhar e das minhas memórias o que cada uma destas coisas representam.

O que vejo quando me olho no espelho? Depende, também, com que olhos escolho olhar!!

Posso olhar como mãe e vejo aquilo que a gravidez fez ao meu corpo, por exemplo. Posso olhar com o olhar da sociedade e ver que nunca terei “o” corpo perfeito e sofrer em silêncio. Posso olhar num dia bom e me sentir sexy e bonita ou, posso num dia mau olhar e me achar velha, cansada e feia.

Ou seja, aquilo que eu vejo, é condicionado pela forma como me sinto no momento. Isto é uma forma muito cansativa e inconstante de viver. Nenhuma mulher merece esta montanha russa de emoções!!

Sempre achei, como filha de Deus, que deve haver uma forma mais equilibrada para eu olhar para mim e para o meu corpo, que não me deixe obcecada nem dececionada, desiludida nem assoberbada com as pressões.

Então passei a fazer a seguinte pergunta: O que é que Deus vê quando olha para mim?

Decidi, após anos a ter uma má imagem de mim, após anos a ser vítima de bullying por ser gorda e desadequada perante o “normal”, começar a olhar para mim da mesma maneira como Deus olha.

Essa decisão vem não só com libertação mas com responsabilidade de cuidar do Templo do Deus vivo.

Ao saber que Deus me ama tal como sou, fiquei livre das pressões que a sociedade quer impor sobre mim e, ao mesmo tempo, comecei a compreender que, muitas vezes no meio cristão, negligenciamos o cuidado com a habitação do Espírito Santo, o nosso corpo.

A Bíblia nos ensina que o nosso corpo é o templo do Espírito Santo.

“Acaso não sabem que o corpo de vocês é santuário do Espírito Santo que habita em vocês, que lhes foi dado por Deus, e que vocês não são de vocês mesmos?” 1 Coríntios 6:19

 

Aqui neste versículo vemos duas grandes verdades. A primeira, já mencionei, é que o nosso corpo é um santuário para Deus através do Seu Espírito Santo. A segunda verdade, não menos importante, é que o nosso corpo não é totalmente nosso!!!

Se calhar não pensamos muito nisto!!! Achamos que temos total liberdade sobre nosso corpo. Mas se fomos filhas de Deus, então o nosso corpo pertence a Ele. É daí que vem a responsabilidade pessoal de cuidar, de se alimentar bem, de fazer exercício…

A intenção de cuidar deve ser, para uma filha de Deus, trazer a Glória para Deus!!! Trazemos Glória para Deus quando cuidamos de nós de forma responsável e santa.

“Se alguém destruir o santuário de Deus, Deus o destruirá; pois o santuário de Deus, que são vocês, é sagrado.” – 1 Coríntios 3:17. Além de nosso corpo ser morada do Espírito Santo e de não ser nosso, é também santo. O meu corpo é santo!!!

Como é que olhamos para as coisas santas?? Olhamos com reverência, com respeito, zelo e amor.

Não compreendemos, totalmente, a honra que isto representa para nós como filhas de Deus!! Casas luxuosas, palacetes, mansões, servem de morada para gente importante, mas apenas o corpo duma filha de Deus, redimida pelo sangue de Jesus, é bom o suficiente para ser habitação do Rei dos reis!!!

William Hendriksen, em seu comentário expositivo de 1 Coríntios, diz que “nós não somos os donos de nosso próprio corpo, porque Deus nos criou, Jesus nos redimiu e o Espírito Santo faz sua habitação dentro de nós”; e continua: “Por Deus ser dono de nosso corpo, nós somos mordomos dele e precisamos prestar contas a ele”. Isso realmente é uma verdade absoluta.

Em conclusão, todos os dias somos confrontados com possibilidade de escolher o que vamos ver!!!

Através da renovação da nossa mente, pela meditação na Palavra de Deus, podemos começar a pouco e pouco a saber qual a boa, agradável e perfeita vontade de Deus para a nossa vida. E isso começa com aquilo que eu decido acreditar acerca de mim mesma e do meu corpo.

Eu acredito que o meu corpo é santo, é morada do Espírito Santo e pertence a Deus. E compreendo que devo cuidar do meu corpo de forma responsável e santa, procurando através de tudo o que faço, trazer glória para Deus.

“Portanto, quer comais quer bebais, ou façais outra qualquer coisa, fazei tudo para glória de Deus.” – 1 Coríntios 10:31

Escrito por -

Cristina Caldeira tem 40 anos, é casada há 21 com o Steven e mãe da Emily de 9 anos. Congrega na Igreja a Rocha no Funchal, ilha da Madeira. Trabalha na área comercial há 22 anos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Discípulas de Jesus de diferentes denominações da fé protestante com o propósito comum de viver para a glória de Deus.
Social