cremosescreva • contribua

Blog

CasamentoO Evangelho liberta-nos da vergonha: Abraçando a intimidade sexual com um corpo pós-parto

O Evangelho liberta-nos da vergonha: Abraçando a intimidade sexual com um corpo pós-parto

Nota: este artigo aborda lutas e tensões que podem surgir mesmo em casamentos “saudáveis”. Os seus encorajamentos serão mais bem entendidos se forem lidos com discernimento e consideração por cada situação particular. Em caso de abuso (físico, emocional ou sexual) ou outro comportamento ilegal ou ilícito no seu casamento, informe alguém e procure aconselhamento e/ou intervenção profissional.

Eu nunca pensei que meus sentimentos em relação à intimidade sexual mudariam tão drasticamente depois de ter filhos. No entanto, a cada gravidez e a cada quilo a mais no meu corpo, luto para acreditar que meu marido me deseja.

Nos dias em que ele elogia a minha aparência ou manifesta o seu desejo de intimidade sexual, reviro os olhos interiormente, questiono a verdade por trás das suas palavras e, às vezes, afasto-me. No entanto, por outro lado, se ele não me presta uma atenção especial quando visto um vestido novo ou adormece diante de mim no final do dia, interpreto o comportamento dele como desinteresse e falha em me procurar. Nos dois casos, sou cativa a sentimentos de vergonha a dizerem-me que a aparência do meu corpo não me deixa mais digna de amor, desejo ou atenção.

A nossa cultura diz-nos que as mulheres devem ter barriga lisa e pele impecável. Sentimos a pressão de ganhar apenas certa quantia de quilos durante a gravidez e depois a pressão de os perdermos imediatamente após o parto. Quando vemos imagens perfeitamente estilizadas de celebridades segurando os seus bebés com apenas um dia de idade, é tentador acreditar que isso é o normal. Então, quando chegamos a casa do hospital com nossas leggings e roupas íntimas pós-parto, começamos a sentir que deve haver algo errado. À medida que os dias e as semanas passam, e as estrias, a barriga mole e os olhos com olheiras permanecem, podemos nos sentir indignas de afeto físico e fugir da intimidade sexual com os nossos maridos.

As Escrituras dizem que depois que Deus colocou Adão e Eva juntos no jardim, eles ficaram “nus e sem vergonha” (Génesis 2.25). Consegues imaginar como deve ter sido? Sem sentimentos de vergonha. Nenhuma comparação mental com “o corpo perfeito”. Sem medo de ser indesejável.

Infelizmente, esse relacionamento físico perfeito não durou. Depois de comer o fruto proibido, Adão e Eva imediatamente reconheceram sua nudez. [1] A entrada de pecado no mundo interrompeu para sempre a intimidade sexual entre marido e mulher. Ficamos nus diante dos nossos maridos e frequentemente sentimos muita vergonha.

Mas há esperança. O poder do evangelho nos liberta da vergonha e nos permite abraçar a intimidade sexual quando nos sentimos desagradáveis ​​em nossos corpos pós-parto.

O amor de Deus cobre-nos

As mudanças nos nossos corpos depois de ter bebés podem-nos fazer sentir fisicamente quebradas e indesejáveis. Mas quando Jesus morreu por nós, espiritualmente, fomos quebrantados e indesejáveis. Nós éramos cruéis, maus, inimigos de Deus. No entanto, Deus derramou a sua misericórdia sobre nós quando estávamos mortas em pecado, e por causa do grande amor de Deus, estamos vivos em Cristo. [2] Jesus tomou o castigo que merecíamos e, em troca, ele nos vestiu com sua justiça eterna. [3] Nossa posição em Cristo é segura e temos acesso a Deus através da vida, morte e ressurreição de Jesus. [4] Estamos diante de Deus espiritualmente nus e sem vergonha, porque quando ele olha para nós, ele vê o corpo de Cristo perfeitamente quebrado e totalmente ressuscitado.

Quando nos apegamos a essa verdade, respondemos adequadamente ao amor de Deus. Nós o abordamos com ousadia com nossos pedidos. [5] Confessamos abertamente os nossos pecados porque ele promete perdoar, purificar e restaurar. [6] Descansamos no seu amor – mesmo quando nos sentimos amáveis ​​- porque Jesus se tornou o amável em nosso favor.

Estar vestido com a justiça de Cristo tem implicações práticas para todos os aspetos da vida, incluindo a maneira como desfrutamos da intimidade sexual no casamento. Mas, como qualquer outra área do nosso crescimento espiritual, aplicar essa verdade provavelmente será um processo. Talvez seja necessário repeti-lo vez após vez.

Nos momentos em que nos sentimos inseguras com os nossos maridos, podemos orar para que o Senhor remova os sentimentos de vergonha. Se dependermos continuamente da obra de Cristo em nós, poderemos adiar sentimentos de vergonha com a nossa nudez e adotar um espírito de humildade, paciência, gentileza e amor para com nossos maridos. [7] Poderemos confiar que o bom desígnio de Deus para o sexo inclui a doação dos nossos belos corpos, ainda que macios e com marcas de estiramento, a nossos maridos, para diversão mútua. [8]

Em vez de dar uma resposta sarcástica ou depreciativa quando os nossos maridos elogiam a nossa aparência, teremos forças para sorrir, acreditar que são sinceros e agradecer sinceramente. Quando somos tentados a recuar juntos de momentos íntimos, começaremos a ver Deus mudar nossos corações e desviar nossa atenção de nossos próprios corpos, em direção a nossos maridos. E nos dias em que nos sentimos negligenciados ou desprezados, aprenderemos a orar por sabedoria para saber como nos comunicar com nossos maridos e trabalhar juntos para o prazer sexual mútuo.

O amor de Deus cobre-nos com uma glória eterna.

Alguns de nós sofrerão mudanças permanentes na nossa aparência física: cicatrizes, quilos extras, a perda de nossas curvas anteriores, um tamanho maior de calças, um peito menor. Podemos olhar no espelho, encolher os ombros e pensar: “Bem, acho que isso é o melhor possível”.

Mas, minhas senhoras, estamos muito errados.

Um dia, o nosso corpo será melhor do que poderíamos imaginar. Quaisquer ideias que tivemos sobre “o corpo perfeito” ou falhas que sentimos na nossa condição pós-parto serão substituídas por uma perspetiva moldada pelo reino totalmente consumado de Deus. Quando Jesus voltar, seremos como Ele. [9] Trocaremos o perecível pelo imperecível. [10] A tão esperada esperança do céu se tornará a nossa realidade eternamente encantada.

Aprendi a expressar os meus sentimentos de vergonha ao meu marido e pedir que ele me ajude. Muitas vezes confesso a minha atitude de descrença em relação a ele, e ele continua a oferecer perdão. Ele nem sempre entende, mas ele me puxa para os seus braços e me tranquiliza com o seu amor. Ele olha-me nos olhos e diz que, quando olha para mim, vê a mulher com quem se casou, a mulher que deu à luz os seus filhos e um corpo que ele ainda considera adorável. As suas palavras lembram-me o seu compromisso de me amar, não importa o quê.

Mesmo que nunca ouças palavras como essas ou experimentes o abraço reconfortante do teu marido, fica sabendo disto: o amor de Deus por nós é melhor do que qualquer tipo de amor que possamos ou não ter dos nossos maridos.

O compromisso de Deus com seu povo é eterno, e seu amor é eterno. Não depende do tamanho ou da forma de nossos corpos. Enquanto aguardamos ansiosamente a consumação do seu amor por nós no céu, podemos permanecer nus com confiança diante de nossos maridos. Não precisamos ter vergonha, porque o amor de Deus nos cobre com uma glória eterna.

_______________________________________________________________________________________________

– Lauren é casada e mãe de seis filhos, apaixonada por conhecer a Cristo e torná-lo conhecido. Ela gosta de compartilhar o seu amor por Deus e sua Palavra através do ministério na sua igreja local. Podes encontrar mais artigos dela no Instagram e no seu blogue. – 

Artigo original aqui.
Tradução com permissão: Ana Rute Cavaco
Revisão: Cecilia J. D. Reggiani

_______________________________________________________________________________________________

[1] Génesis 3: 7

[2] Efésios 2: 1-5

[3] 1 Pedro 2:24

[4] Hebreus 10: 19-22

[5] Hebreus 4:16

[6] 1 João 1: 9

[7] Colossenses 3:12

[8] 1 Coríntios 7: 2-5

[9] 1 João 3: 2

[10] 1 Coríntios 15: 52-53

Comentários estão fechados.

Discípulas de Jesus de diferentes denominações da fé protestante com o propósito comum de viver para a glória de Deus.
Social